Faculdade de Pindamonhangaba alerta para a proibição de trotes violentos na Instituição

E-mail Imprimir PDF
fapi.jpg
Para comemorar o início das aulas, atividades solidárias serão desenvolvidas 

De acordo com o projeto de lei n° 1.023/95, que proíbe trotes violentos ou vexatórios em instituições de ensino, a Faculdade de Pindamonhangaba - informa aos estudantes que ficam proibidos trotes que possam constranger os novos alunos, expô-los de forma vexatória, ofender sua integridade física, moral ou psicológica, ou obrigá-los a doar bens ou dinheiro. 
De acordo com o diretor da Faculdade de Pindamonhangaba, prof. Luís Otávio Palhari, ao ingressar na faculdade, o aluno é informado e orientado pelos coordenadores de curso sobre as normas da instituição nas quais está incluso o não trote estudantil. “A faculdade não permite a prática do trote dentro e fora da instituição por ser uma unidade ética e cristã, tendo como missão educar, produzir e disseminar o saber científico, contribuir para a realização dos sonhos e para o desenvolvimento do ser humano, comprometendo-se com a justiça social e resgate de valores cristãos, fundamentais para construção de um mundo melhor e mais justo”, explica o diretor.

Para coibir a prática dos trotes aplicados aos novos estudantes, a faculdade estará desenvolvendo uma série de atividades nas primeiras semanas de aula. Como é o caso da Gincana Solidária que visa arrecadar alimentos não perecíveis que serão doados a uma entidade assistencial da cidade. Nos primeiros dias de aula, também será feita uma campanha de doação de sangue para o hemonúcleo de Taubaté, responsável pela distribuição do material para as cidades da região, inclusive Pindamonhangaba. 

A direção da faculdade acredita que, ao desenvolver ações solidárias, desperta nos alunos o interesse de contribuir com a sociedade e trabalhar pela cidadania. “É responsabilidade de todos coibir a prática do trotes violentos nas instituições de ensino e a forma mais humanitária é reforçar os trabalhos sociais para que os alunos desenvolvam o interesse em ajudar o próximo”, ressalta Luís Otávio, que afirma ainda constar no Regimento Geral da faculdade penalidades para quem infringir as normas.